Detalhes chocantes do socorro aos bancos por parte do Federal Reserve

Senador Bernie Sanders

Bernie Sanders, Senador americano

Em uma audiência do Comitê de Orçamento do Senado, em 2009, solicitamos ao presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, que informasse ao povo americano os nomes das instituições financeiras que receberam um socorro financeiro sem precedentes e em segredo. Pedi que revelasse também quanto receberam e as contrapartidas que teriam sido exigidas para o socorro financeiro. Bernanke recusou-se a fornecer quaisquer informações.

Agora, 1 ano e meio depois, como resultado de uma emenda que conseguimos incluir na Lei de Reforma de Wall Street, começamos a levantar o véu de sigilo que encobre o FED e assim o povo americano, agora tem acesso às informações.

É lamentável que tenha demorado tanto tempo para que isto ocorresse e é uma vergonha que os maiores bancos da América e Bernanke tenham lutado para manter este segredo e assim impedir que se soubesse a verdade. Mas agora os detalhes do socorro financeiro estão publicados no website do FED e esta é uma vitória para o contribuinte americano e para a transparência nas ações de governo.

Importante ressaltar que meu projeto, também exigiu que o Escritório de Contabilidade do Governo, conduzisse uma auditoria completa de todos os empréstimos de emergência que foram fornecidos durante a crise financeira e com o prazo de 21 de julho de 2011 para ser divulgado. A auditoria investigará todos os potenciais conflitos de interesses que possam ter ocorrido nestas operações de socorro.

Na quarta-feira passada, o FED viu-se obrigado a divulgar detalhes sobre como foram emprestados US$ 3.3 trilhões de dólares em empréstimos de emergência; informação que até então era escondida do público. Isto é apenas o começo do processo. Muitas coisa ainda será revelada.

Após anos e anos sendo ignorado pelo FED, o povo americano, finalmente está descobrindo os detalhes incríveis e de fazer cair o queixo, sobre a operação de socorro multitrilionária para socorrer Wall Street e as grandes corporações americanas. Como resultado destas revelações, outros congressistas, juntamente comigo, decidiram acompanhar cuidadosamente, toda a auditoria, objetivando conhecer todos os aspectos sobre como o Federal Reserve funciona e como podemos tornar nossas instituições financeiras mais responsáveis aos interesses do americano comum e das pequenas empresas.

O que descobrimos até agora sobre as mais de 21 mil transações de empréstimos?

Bem descobrimos que o socorro financeiro de US$ 700 bilhões, objeto de lei específica e sancionado pelo Presidente Bush, mostrou-se ser uma troca de bolsos, em comparação aos trilhões de dólares com juros quase zero e outros arranjs financeiros concedidos pelo FED às grandes instituições financeiras deste país. Entre elas podemos citar:Goldman Sachs,que recebeu quase US$ 600 bilhões; Morgan Stanley,que recebeu quase US$ 2 trilhões;Citigroup, que recebeu US$1.8 trilhão; Bearn Stearns, que recebeu quase US$ 1 trilhão e a Merrill Lynch , que recebeu algo em torno de US$ 1.5 trilhão, em empréstimos de curto prazo, fornecidos pelo FED.

Também descobrimos que este socorro trilionário, não limitou-se à Wall Street e aos grandes bancos. Algumas das maiores corporações deste país, também receberam um auxílio substancial. Entre as beneficiadas podemos citar: General Electric, McDonald´s, Caterpillar, Harley Davidson, Toyota e a Verizon.

Mas talvez o mais surpreendente nesta operação, foi descobrir que parte do dinheiro foi utilizado para socorrer corporações e bancos estrangeiros, incluindo-se ai dois grandes bancos europeus - Deutsche Bank e Credit Suisse - os quais eram os maiores beneficiários das operações de compra de derivativos hipotecários por parte do FED.

O Deutsche Banak,vendeu ao FED, mais de US$ 290 bilhões em derivativos. O Credit Suisse, algo emtorno de US$ 287 bilhões em títulos. Será que o FED tornou-se o banco central do planeta?

O FED argumentou que o socorro foi necessário para impedir que a enconomia mundial caisse desfiladeiro abaixo. Ocorre que três anos após o começo da recessão, milhões de americanos continuam desempregados e perderam suas casas, economias e mesmo a condição de enviar seus filhos à Universidade. Enquanto isto, os grandes bancos e as grandes corporações voltaram a obter lucros fabulosos e a pagar a seus executivos, pacotes de compensação milionários sem precedentes; como se a crise financeira que eles começaram não tivesse acontecido.

O que estas revelações nos mostram, entre muitas outras coisas, é que apesar da imensa quantidade de dinheiro do contribuinte,utilizada na operação de socorro,o FED não exigiu nenhuma contrapartida aos beneficiários. Não foi exigida nenhuma ação que ajudasse a reconstruir a economia e a proteger as necessidades do cidadão comum.

Vamos exemplificar: em uma época em que os grandes bancos mantém quase US$ 1 trilhão em reservas suplementares no FED; o FED não exige que estas instituições aumentem o volume de empréstimos às pequenas e médias empresas, como contrapartida pela operação de socorro.

Em um momento no qual grandes corporações são mais lucrativas que em qualquer época passada, o FED não exigiu das empresas socorridas, políticas de criação de empregos e expansão dos investimentos produtivos assim que elas voltassem à lucratividade.

Pretendemos investigar se tais empréstimos secretos, em alguns casos ,tornaram-se apenas um prêmio aos bancos, pois usaram o dinheiro não para reinvestir na economia e sim para emprestar ao governo federal a taxas de juros elevadas, por meio de operações de compra de títulos do Tesosuro. Ou seja, ao invés deste dinheiro ser usado em reinvestimento na economia produtiva, suspeitamos que boa parte deste dinheiro emprestado pelo governo a juro quase zero, acabou sendo usado para a compra de títulos do Tesouro a juros altos, ou traduzindo, dinheiro sem ônus doado a algumas das maiores instituições financeiras deste país. Isto deverá ser investigado com rigor.

Em uma época em que os executivos de Wall Street ganham agora muito mais dinheiro que antes da crise, quanto os grandes bancos que em 2009 pagaram os fundos TARP,objetivando evitar limites nos prêmios pagos aos executivos, receberam em empreéstimos do FED, sem exigências colaterais?

Em uma época na qual milhões de americanos pagam juros escandalosos no uso de seus cartões de crédito, por que o FED não exige das operadoras dos cartões, a queda na taxa cobrada, como compensação pelo socorro governamental concedido?

Os quatro maiores bancos deste país (Bank of America, JP Morgan Chase, Wells Fargo e o Citigroup), emitem a metade de todas as hipotécas neste país. Agora sabemos que estes bancos receberam centenas de bilhões de dólares do FED. Quantos americanos poderiam ter permanecido em suas casas se o FED tivesse exigido que os bancos socorridos, reduzissem os valores dos pagamentos hipotecários como condição para receber tais empréstimos secretos?

Começamos a levantar o véu de sigilo que encobre uma das mais importantes agências do governo deste país. O que estamos percebendo é o incrível poder de um punhado de pessoas, que têm incríveis conflitos de interesses e que ainda assim conseguem uma ajuda incrível do contribuinte. O mesmo contribuinte que tem suas necessidades ignoradas por esta gente.

Bernie Sanders, é Senador pelo Estado de Vermont, EUA. Ele descreve a si mesmo como um socialista. É o primeiro político eleito para o Congresso americano, que se diz socialista. Geralmente, ele se alinha ao Partido Democrata nas votações no Senado. Ele é um Senador sem partido, assim como o Senador Joe Lieberman. Sua carreira política começou em 1971 ao ingressar em um pequeno partido político contrário à Guerra do Vietnã.

Página de Bernie Sanders no website do Senado americano

Fonte: Huffington Post
Traduçãoe edição: BGN - Jack

Nenhum comentário:

Ocorreu um erro neste gadget

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails